Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Casa da Ju

Um blog sobre DIY, Costura, Livros, Filmes e mim…

Casa da Ju

Um blog sobre DIY, Costura, Livros, Filmes e mim…

Uma das coisas que sempre gostei de fazer, e que cada vez faço menos, e me dá cada vez menos gozo, é comprar sapatos quando vou de fim de semana aos meus pais.

Há lá duas sapatarias (do mesmo dono) que sempre tiveram sapatos de que gostava bastante.

Agora vou cada vez menos. Quando vou a casa dos meus pais acabo por ir mais no horário das refeições e as lojinhas por lá ainda têm o horário das lojas de rua, comércio tradicional. O que torna tudo mais complicado.

Por outro lado nos últimos anos já não consigo ter grandes paixões assolapadas por sapatos. Muito mais díficil gostar de qualquer coisa. Tudo muito alto. Tudo muito bicudo. Saltos muito finos. Tudo muito igual. O que é uma pena. Sinto falta disso. Da sensação de comprar sapatinhos novos.

Este fim de semana foi semelhante.

Mas (re)descobri uma marca que já não compro há algum tempo. A Bibi Lou. Tem coisas bem catitas, não? Mas não comprei nada. Prefiro comprar online. Normalmente consigo melhores preços. 

Os únicos que me caíram no goto foram uns da Helsar. Podem ver aqui. Lindos, não são?

Problemas: demasiado altos para mim (sei que raramente os iria utilizar) e o preçozito...

O que vos parece?

Ontem fui ao Ikea com a minha irmã. Comprar coisas para a casa dela, arrumação, protectores de gavetas, etc... Fomos ao final do dia. Como sempre aquilo estava cheio. Díficil estacionar, lugares de grávida todos ocupados (a minha irmã está grávida e já que eu nunca gozei desse estatuto agora sempre que a tenho dentro do carro aproveito). Ikea normal. Parece que ninguém foi de férias e que ficaram todos em Lx a fazer compras.

Entretanto percebi que aquilo estava cheio de angolanos. Nada contra. Muito pelo contrário. Se há discurso no qual não vou é naquele que demoniza o turismo, que reclama dos dolares e euros gastos na av. da Liberdade, nas lojas e restaurantes de Lx (e também do Porto). É dinheiro que entra no país e só consigo ver isso como positivo. É claro que há que ter cuidado para não nos tornarmos uma Barcelona, que tem inúmeros problemas relacionados com o turismo, mas estamos muito longe, não é? Basta comparar o número de visitantes de Lx com Barcelona para percebermos a quantas milhas estamos. Por isso nada de complicar. Turismo é bom. Bom para a economia. E logo bom para os nossos (meus) impostos. Faz-lhes bem à saúde.

Agora, no Ikea? O que raio se pode comprar no Ikea que se consiga enfiar tranquilamente num avião? Mobília? Nããã... Roupas de casa, decoração, almofadas, louça, talheres, ??... Não consigo entender. Claro que podem ser pessoas que tenham cá casa. Mas tantas assim? Dificilmente. 

Claro que eu tive que comprar mais uns tarecos, que na altura me pareceram muito baratinhos e fundamentais. Como de costume gastei muito mais do que era suposto. Acredito, cada vez mais, que esse é o modelo de negócio dos srs do Ikea. Como gastar dinheiro em coisas úteis mas sem as quais viveríamos igualmente bem?